Africanas Raízes - Culturas, histórias e lendas

 

...Continuação
Africanas Raízes - Yansan (Matamba) - Lendas Africanas Raízes - Yansan (Matamba) - Lendas

LENDA DE YANSAN
Conta umas das lendas de Iansã,
a primeira esposa de SÀNGÓ, teria ido,
a seu mandato, a um reino vizinho buscar
3 cabaças que estava com Obalúayé.
Foi dito a ela que não abrisse estas cabaças,
as quais ela deveria trazer de volta a SÀNGÓ.
Iansã foi e lá Obalúayè recomendou mais uma vez
que não deixasse as cabaças caírem e quebrarem e,
se isto acontecesse, que ela não olhasse e fosse embora.
Iansã ia muito apressada e não aguentava
mais segurar o segredo. Um pouco mais à frente quebrou
a primeira cabaça, desrespeitando a vontade de Obalúayé.
Saíram de dentro da cabaça os ventos que a levou para o céus.
Quando terminaram os ventos,
Iansã voltou e quebrou a segunda cabaça.
Da segunda cabaça saíram os Eguns. Ela se assustou e gritou:
Reiiii! Na vez da terceira cabaça SÀNGÓ chegou e pegou para si,
que era a cabaça do fogo, dos raios.
Ela tinha um temperamento ardente e impetuoso.
Foi a única entre as mulheres de SÀNGÓ que ,
no fim do seu reinado,
o seguiu em sua fuga para Tapá. Quando ele recolheu-se
para baixo da terra em Cosso, ela fez o mesmo em Yiá.
 
Africanas Raízes - Oxum - Lendas Africanas Raízes - Oxum - Lendas

LENDA DE OXUM
Em um belo dia,
Sàngó que passava pelas propriedades de Èsù,
avistou aquela linda donzela que penteava
seus lindos cabelos a margem de um rio e de pronto agrado,
foi declarar sua grande admiração para com Òsùn.
Foi-se a tal ponto que Sàngó,
viu-se completamente apaixonado por aquela linda mulher,
e perguntou se não gostaria de morar
em sua companhia em seu lindo castelo na cidade de Oyó .
Òsùn rejeitou o convite,
pois lhe fazia muito bem a companhia de Èsù.
Sàngó então irado e contradito,
sequestrou Òsùn e levou-a em sua companhia,
aprisionando-a na masmorra de seu castelo.
Èsù, logo de imediato sentiu
a falta de sua companheira e saiu a procurar,
por todas as regiões, pelos quatro cantos do mundo
sua doce pupila de anos de convivência.
Chegando nas terras de Sàngó, Èsù foi surpreendido por um canto
triste e melancólico que vinha da direção do palácio do Rei de Oyó,
da mais alta torre. Lá estava Òsùn,
triste e a chorar por sua prisão e permanencia na cidade do Rei.
Èsù, esperto e matreiro, procurou a ajuda de Òrùnmílá,
que de pronto agrado lhe sedeu uma poção de transformação
para Òsùn desvencilhar-se dos dominíos de Sàngó.
Èsù, atravez da magia pode fazer
chegar as mãos de sua companheira a tal poção.
Òsùn tomou de um só gole a poção mágica e transformou-se
em uma linda pomba dourada,
que voôu e pode então retornar a casa de Esù.
 
Africanas Raízes - Oxossi (Kabila) - Lendas Africanas Raízes - Oxossi (Kabila) - Lendas

LENDA DE OXOSSE (KABILA)
Diz uma das lendas que certo
dia Osóssi chegou a sua aldeia,
quase arriando pelo peso da capanga,
das cabaças vazias e pelo cansaço de rastrear a caça rara.
Osún, sua mulher e mãe de seu filho, olhou para ele e pensou:
''só caçou desgraça". Pois a desgraça para Osóssi foi prevista por Ifá,
que ele alertou Osún. Porém,
quando ela contou a Osóssi sobre essa previsão,
ele disse que a desgraça era a fome,
a mulher sem leite e a criança sem carinho.
E que desgraça maior era o medo do homem.
Quando Osóssi se aproximou de Osún,
ela notou que ele trazia algo na capanga,
sentiu medo e alegria. Havia caça na capanga do marido
e ela imaginou se seria um bicho de pelo ou de pena.
Ansiosa, perguntou a ele, que respondeu:
"Trago a carne que rasteja na terra e na água, na mata e no rio,
o bicho que se enrosca em si mesmo''.
Falando isto retirou da capanga os pedaços de uma grande Dan (cobra).
O bicho revirava a cabeça e os olhos,
agitava a língua partida e cantava triste: "Não sou bicho de
pena para Osóssi matar".
A grande Dan pertencia a Sàngó e Osóssi não poderia matá-la.
Osún fugiu temendo a vingança de Sàngó, indo até Ifá que disse:
"A justiça será feita, assim o corpo de Osóssi irá desaparecer,
desaparecerá da memória de Ossunmaré
e a quizila desaparecerá da vingança de Sàngó".
 
Africanas Raízes - Yemanjá - Lendas Africanas Raízes - Yemanjá - Lendas

LENDA DE IEMAJÁ
Yemanjá, conta uma das lendas,
era "casada pela primeira vez com Orunmilá,
senhor das adivinhações,
depois com Olofin, rei de Ifé", cansada de sua permanência em Ifé,
fugiu em direção ao oeste. Outrora,
Olokun lhe havia dado, por medida de precaução,
uma garrafa contendo um preparo, pois não se sabia
o que poderia acontecer amanhã,
com a recomendação de quebrá-lo
no chão em caso de extremo perigo.
E assim Yemanjá foi instalar-se no entardecer da terra oeste.
Olofin, Rei de Ifé, lançou seu exército à procura de sua mulher.
Cercada, Yemanjá ao invés de se deixar prender
e ser conduzida de volta a Ifé, quebrou a garrafa,
segundo as instruções recebidas.
O criou-se o rio na mesma hora
levando-a para Okun (o oceano),
lugar de residência de Olokun, seu pai.
 
Africanas Raízes - Ossaim - Lendas Africanas Raízes - Ossaim - Lendas

LENDA DE OSSAIN
Òrúnmílá dá a Òsanyìn o nome das plantas.
Ifá foi consultado por Òrúnmílá que estava partindo da terra
para o céu e que estava indo apanhar todas as folhas.
Quando Òrúnmílá chegou ao céu Olódùmaré disse,
eis todas as folhas que queria pegar o que fará com elas ?
Òrùnmílá respondeu que iria usá-las, disse que,
iria usá-las para beneficio dos seres humanos da Terra.
Todas as folhas que Òrunmílá estava pegando,
Òrúnmílá carregaria para a Terra.
Quando chegou à pedra Àgbàsaláààrin ayé lòrun
(pedra que se encontra no meio do caminho entre o céu e a terra)
Aí Òrúnmílá encontrou Òsanyìn no caminho.
Perguntou: Òsanyìn onde vai? Òsanyìn disse;
"Vou ao céu, disse ele, vou buscar folhas e remédios".
Òrúnmílá disse, muito bem, disse, que já havia ido buscar folhas no céu,
disse, para benefício dos seres humanos da terra.
Disse, olhe todas essas folhas,
Òsanyìn pode apenas arrebatar todas as folhas.
Ele poderia fazer remédios (feitiços)
com elas porém não conhecia seus nomes.
Foi Òrúnmílá quem deu nome a todas as folhas.
Assim Òrúnmílá nomeou todas as folhas naquele dia.
Ele disse, você Òsanyìn carrega todas as folhas para a terra,
disse, volte, iremos para terra juntos.
Foi assim que Òrúnmílá entregou todas as folhas
para Òsanyìn naquele dia.
Foi ele quem ensinou a Òsanyìn o nome das folhas apanhadas.
 
Africanas Raízes - Ayrá - Lendas Africanas Raízes - Ayrá - Lendas

LENDA DE AYRÁ
AYRÁ era um dos servos de confiança de Sango.
OSÀLÚFÓN (ÓÒNÍ DE IFÈ ) fez uma visita as terras
de Oyo onde Sango (Oba de Oyo) reinava.
No caminho de volta Sango se negou a carregar
OSÀLÚFÓN até seus domínios como uma forma de submissão a OSÀLÚFÓN,
então designou tal missão a Ayrá. Este por sua vez
não só ajudou OSÀLÚFÓN como o carregou nas costas até seus domínios.
Ayrá tentou tirar partido da situação intrigando OSÀLÚFÓN contra Sango.
Ayrá tentou convencer OSÀLÚFÓN que Sango fora o único culpado dele OSÀLÚFÓN,
ter passado os sete anos sofrendo maus tratos na prisão de Oyo,
acusado de ser o ladrão dos cavalos de Sango.
Mas, OSÀLÚFÓN não cedeu a seu veneno e perdoou Sango,
que sabedor do acontecido cortou relações com Ayrá pela traição.
OSÀLÚFÓN ficou grato pela submissão de Ayrá e lhe concedeu o título
de seu primeiro ministro, fazendo dele seu mais fiél amigo,
motivo pelo qual AYRÀ come diferente dos SÀNGÓ.
Foi-lhe concedido comer em sua gamela o arroz, a canjica e o mingau de acaçá,
sendo-lhe proibido o dendê e o sal. Por motivo de rivalidade com SÀNGÓ,
não se deve colocá-los juntos na mesma casa nem em cima de pilão.
Sua gamela é oval e seus ornamentos prateados.
Seu assentamento é na gamela oval e não leva pilão.
A fogueira lhe pertence e é acesa pelo lado esquerdo. Dentro da fogueira coloca-se :

- Um tacho de cobre com 12 quiabos;
- Uma pedra, representando o ODUN ARÀ;
- Frutas.

 
     
Clique em Fuxicos e lendas de Roncó do Tumba Junçara e faça uma visita

Voltar para
Culturas, histórias e lendas
primeira parte

africanasraizes.com.br

Paquetaense

↑ Grab this Headline Animator